Grande parte da violência sofrida por crianças e adolescentes é cometida por pessoas próximas

Karina Nascimento
23/11/2018 14:46h

Quarta edição do Dossiê Criança e Adolescente mostra que 47% das agressões físicase ameaças foram cometidas por familiares e conhecidos das vítimas.

O Instituto de Segurança Pública (ISP) lança hoje, 23 de novembro, a 4ª edição do Dossiê Criança e Adolescente. O estudo reúne os principais crimes relacionados à violência contra o público infantojuvenil no estado do Rio de Janeiro em 2017 e analisa a vitimização de crianças e adolescentes em suas diversas formas: física, sexual, moral, psicológica, patrimonial e periclitação da vida e da saúde.

Informações do Dossiê apontam que as formas de violência com maior participação de vítimas crianças e adolescentes são violência sexual (59%) e periclitação da vida e da saúde (49%). Boa parte dos crimes cometidos contra as crianças e adolescentes no ano passado foram praticados por familiares e conhecidos das vítimas. Eles foram os autores de 47% das agressões físicas e dos crimes de ameaça e constrangimento ilegal, de 40% dos crimes de violência sexual e 38% dos crimes de violência moral.

Esta edição apresenta uma análise especial com um perfil das vítimas de letalidade violenta, o comportamento temporal dos homicídios e os seus delitos associados. Acompanhando a tendência nacional, o estado do Rio de Janeiro também registrou um aumento de letalidade violenta contra crianças e adolescentes nos últimos anos. Nas mortes violentas, 90,5% dos adolescentes e 51,9% das crianças foram mortos por disparo de arma de fogo. A letalidade contra o grupo tende a se intensificar à medida que nos aproximamos de uma área sujeita ao controle ilegal do território.

Os dados organizados no Dossiê reforçam a necessidade de campanhas para informar a população de situações em que crianças e adolescentes tiveram seus direitos ameaçados ou violados, além de divulgar os canais disponíveis para o encaminhamento de denúncias que possam prevenir ou combater tais ameaças ou violações.

 

NOVIDADES

 Pela primeira vez o Dossiê Criança e Adolescente, com o objetivo de aprimorar ainda mais as informações sobre violência sexual, e atendendo aos atuais enfoques da sociedade brasileira, analisou o ato obsceno e a importunação ofensiva ao pudor. Em 2017, 225 crianças e adolescentes denunciaram o crime de importunação ofensiva ao pudor nas delegacias do estado e, outras 45, o ato obsceno.

  

ESTUDOS

Na seção “Outros Olhares” do Dossiê, o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) publica um artigo sobre a criação e a atuação do Comitê para Prevenção de Homicídios de Adolescentes no Rio de Janeiro. Já no segundo artigo, o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) descreve três ações desenvolvidas em 2018 para contribuir para a responsabilização e a prevenção de homicídios de crianças e adolescentes.

As informações divulgadas no Dossiê têm como fonte o banco de dados dos registros de ocorrência da Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro (PCERJ), relativos ao ano de 2017, disponibilizado pelo Departamento Geral de Tecnologia da Informação e Telecomunicações (DGTIT/PCERJ).



Assessoria de Imprensa do Instituto de Segurança Pública – ISP
Karina Nascimento - Tel: 2332-9690/ 98596-5264
e-mail: knascimento.isp@gmail.com / imprensaisp@gmail.com
www.isp.rj.gov.br

Visitantes: 517416
INSTITUTO DE SEGURANÇA PÚBLICA: Avenida Presidente Vargas, nº 817 - 16º andar - Centro CEP: 20.071-004 - Rio de Janeiro/RJ
Chefia de Gabinete - 2332-9709 / Comunicação Social 2332-9690 / Conselhos Comunitários de Segurança - CCS - 2332-9648 / 9693
Horário de Funcionamento do Protocolo: 09:00 às 17:00 horas
Tecnologia PRODERJ - Todos os direitos reservados